Archive

Archive for abril \22\UTC 2005

Bicho Burro

Depois da cagada que fiz terça, levantamos na quarta e bla bla bla, está no post abaixo.
Quarta feira liguei pra ela pra ver se as amigas dela iam no churrasco. Ela disse que não por que estava muito caro. Resolvi seguir um xixi que levei das gurias por causa disso e resolvi abaixar o preço. Ela disse que elas não iam igual. Então não era pelo preço, elas não queriam ir mesmo. Pedi se ela ia, ela disse que não. Daí então continuou meus stresses. Desliguei o telefone na cara, nem tcheu dei, então uma mensagem no meu celular apareceu dizendo que ela não era importante e que não ia fazer falta e que era pra mim me divertir.
Ok, não respondi, não liguei, não fiz nada. Só fiquei eu e meu nervosismo.
Fui pra casa, tomei um banho pois choveu a beça no caminho, tomei um banho de verdade e assisti um pedaço de chaves. Chaves me salvou o dia, é muito bom assistir aquele programa. Ao menos alguma coisa de útil tem no éssebesteira.
Fui pra faculdade, assisti a primeira aula. Na metade da aula ela me liga, dezendo que ela pode não fazer falta pra mim, mas eu faço falta pra ela. Pediu do churrasco, se ainda iria ter e se podia ir, se eu queria que ela fosse. Nem precisava responder. Passei na casa dela e falei o que havia por falar. Pedi pra ela nunca mais falar que eu não preciso dela coisa e tal. Fomos pro churrasco, comemos, bebemos, demos muita rizada e depois dormi na casa dela.

QUINTA-FEIRA
Na quinta, acordamos meio dia e meio. Ela pediu pra mim sair comprar comida, mas eu estava com preguiça, virei de lado e tentei dormir de novo. Foi aí então que ela soltou um “se eu pudesse ir de biz eu ia”. Literalmente joguei a chave na mão dela. Ela não tem carteira, mas fez as aulas direitinho, só não passou no teste. Falei pra ela andar certinho, com o capacete e por ruas não muito movimentadas, que não teria perido da puliça pegar.
Ok, eu bem contente, alegre, assistindo tv, na cama, só de zorba. Depois de 40 minutos que ela não voltou comecei a me desesperar. Pra resumir, eu liguei 17 vezes no celular dela que não atendia e sai andando umas 15 quadras atras dela. Quando voltei ela tava lá, toda sorridente por que andou de moto e eu bufando por que ela tem celular por esporte e não leva junto. Mas quando ela me contou a história eu me acabei dando rizada. A válvula do combustível sempre deixo delisgada a noite, e ficou desligada. A moto afogou e ela não sabia o que era. Disse que parou uma porrada de motoqueiro pra ajudar ela. Foi muito engraçado.
No final das contas, comemos, assistimos um filme, dormimos mais, saimos pra tomar sorvete e comemos pizza a noite.
Hoje de manhã foi um novo dia. Tudo certo, tudo em paz. Espero continuar assim até o próximo fim de semana, quando começa tudo de novo.

Escondendo fatos

Descobri ontem que pra se viver bem, tem que se mentir.
Estava tudo legal, sai da faculdade, fui na casa dela, estava chovendo.
Demos rizada, contamos piada, ela deixou gravado no meu celular algumas coisas do tipo “te adoro” “um beijo” coisas assim.
Eu estava do lado dela, fazendo carícias e a abraçando. Gosto de fazer isso.
Ela falou que estava com medo de cair a luz e ficar no escuro. Dei a sugestão dela ir dormir lá em casa. Fui obrigado do ligar pra pedir se ela podia. Tudo ok, entramos no carro e fomos para casa.
Levei um colchão pra ela no meu quarto. Ficamos conversando, fazendo declarações e dando rizada. Começou a sessão confidências. Odeio ser sincero, e agora odeio a verdade também. Vou ter que mentir pra começar a ter tudo do jeito que quero.
Ela me questionou o que sinto por ela. Eu falei que não era amor, que não tava preparado para dizer “eu te amo”. Falei também que não era paixão, pois não me sinto apaixonado. Falei que gostava muito dela, que sinto um carinho especial, que a adorava. Mas não bastou, ela virou de lado e falou que se tudo o que tou fazendo não é paixão ela não sabe o que é.
Muito bem, só por que tenho dado atenção, tenho tentado cuidar dela enquanto AINDA está aqui, tenho tentado ser alguem perfeito, alguém inesquecível, mesmo não ganhando nada. Me sinto bem deixando outra pessoa feliz. Me sinto bem fazendo o que tou fazendo.
Disse AINDA pois dia 5 ela estará voltando para a casa do pai, em outra cidade. É meio perto, não sei como vai ser, nunca fiquei com alguém que estivesse distante. É estranho, gosto das pessoas perto de mim. Não sei como vai ser.
Mas se eu quisesse me aproveitar de ontem, nós dois sozinhos no meu quarto, escuro, tarde da noite, todos dormindo, eu teria feito juras de amor. Com certeza ela ia ficar empolgada e ia acontecer. Mas não, preferi ser sincero e viver a realidade. Acho que não vai durar muito. Eu sabia que isso ia acontecer. Lembra da roleta? Quando eu disse que minha vida é uma roleta ela É mesmo. Só estou esperando a próxima discução e uma bem provável separação.

Tá tudo estranho

Esse fim de semana me falaram várias coisas que eu não queria ouvir.
Mas vamos começar do início.
Sexta feira fui na faculdade conversar com meu orientador pra definir algumas coisas do meu projeto. Me esclareceu várias idéias. Acho que poderemos fazer um trabalho muito bom. Depois o gordo me ligou, dizendo pra gente sair, comprar um garrafão de vinho e ficar a toa por aí. Tava meio frio, o vinho ia cair muito bem, mas como estava frio, eu de moto e não podendo gastar, falei que iria ficar em casa, já que pilotar moto e beber não é uma combinação muito boa, ainda mais de vinho.
Fui pra casa, tentei entrar na internet pra já procurar alguma coisa pro trabalho, mas meu computador morreu. Não ligou, não dava sinal de vida, não fazia nada. Deixei ele de lado então. Mal sentei no sofá pra assistir um pouco de televisão, buzinam na frente de casa. Era o gordo e um outro amigo da faculdade. Ou eles me tiravam de casa ou eles ficavam ali em casa. Tá, resolvi sair. Ficamos um tempo ali até as cervejas que eu tinha gelarem no congelador e passamos num lugar comprar mais uma dúzia e gelo. Ficamos na frente dum posto até algumas horas da noite. Depois fomos pra outro, sempre incomodando os playboys de plantão com nosso som sujo e gritado. O gordo bebado ainda deu uma de papai noel e fez nevar no meio da rua. Jogou os restos de gelo para o ar. Disse também que tava com infecção urinária de tanto que mijou. Brahma é foda.
No sábado tinha uma festa de aniversário duma amiga minha. Já fiquei com ela num evento de motos que tem por aqui. Teve um show duma banda de heavy metal. Ficamos espremidos no meio da galera, todo mundo se empurrando e se apertando, mas consegui tirar um sarrinho legal com ela. Na época ela se assanhava muito pro meu lado, então coloquei tudo o que ela falava em prática. Até os peitos dela lambi no meio do show. Foi divertido.
Mas voltando ao sábado, vim trabalhar com cara de sono. Cerveja + pouco sono = um cara com sono e bebado ainda. Votei pra casa, almocei e desmaiei no sofá. Dormi até umas 5 horas. Levantei e fiquei escutando umas mp3 no dvd e tentando pegar as batidas, já que agora vou começar a tocar bateria. Tomei um banho e fui pro aniversário da guria ali de cima. Vou chama-la de M.
Era na associação da Copel daqui, lugarzinho legal. Levaram as caixas de som da nossa banda, então som foi o que não faltou. Tinha de tudo, whisky, caipira, cerveja. Eu fiz a festa, mandei um pouco de tudo pra dentro. Passado algumas horas de bebedeira a guria me ligou, pediu onde eu tava, o que tava fazendo, se já tinha bebido. Pedi pra ela se ela não queria ir, ela fez aquele cu doce de sempre, então falei que não ia e desligou. Dei um tempinho e liguei pra ela de volta, dizendo que era pra ela se arrumar que dentro de meia hora iria buscar ela. Foi o que fiz, fui até lá e trouxe ela pra festa. Foi divertido, comemos, bebemos e teve até direito a uma direita na fuça dela. Foi sem querer, o gordo estúpido idiota puxou minha mão e ela estava no caminho. Fiquei furioso e pedi desculpas várias vezes pra ela. Quando fui me despedir do pessoal pra levar ela embora, me fizeram pagar micão. Estavam me precionando pra pedir ela em namoro. Fiquei sem jeito, mas não gosto de nada precionado. Ela também não gostou do que fiz. Mas fazer o que, não quero fazer coisas por que os outros querem.
Fui me despedir da aniversariante, a M. Ela me deu um abraço e disse “que o que ela fez foi para o nosso bem.” Não entendi, a gente nunca teve nada, ficamos uma fez só, as outras foram só brincadeiras, sarros que eu tirava, tipo dar uma lambida nos lábios dela, umas palavras mais abusadas, dedos entre os seus seios. Ela era realmente safada, e eu me aproveitava. Mas daí ela começou a namorar um amigo meu. Estão juntos a mais de ano já. Não sei por que raios ela me falou isso. Talvez por ter sentido ciúmes da guria, mas vá saber. Ainda vou tirar isso a limpo.

Quase quase

Ontem na aula escrevi numa folha tudo o que eu estava sentindo para não me esquecer sábado. Queria dizer tudo o que tinha pra dizer naquele momento de ódio. Eu estava literalmente possuído.
Em litras miúdas e tremendo de raiva, escrevi numa folha sulfite a frente inteira, dando algumas dezenas de linhas para ler mais tarde, num outro dia, para ver o que sou quando estou com raiva.
A primeira aula foi tranquila, o professor passou um trabalhinho e eu fiquei na internet e terminando de escrever.
A segunda aula resolvemos matar e ir pra casa. Saco de aula. Mas por um impulso resolvi ligar pra saber se ela estava na casa da amiga dela como ela me disse momentos antes. Estava em casa, na casa dela.
Ela me chamou pra ir lá, disse que não, que tinha que tomar um banho e que queria dormir. Mas ela insistiu, disse que precisava falar algo sério comigo. Resolvi ir e ver o que ela tinha pra dizer.
Ela disse que será difícil se afastar de mim, que eu sou um anjo e bla bla bla, tudo aquilo que uma pessoa que gosta de você poderia dizer. Eu só fiquei quieto, ouvindo o que ela tinha pra dizer, e eram muitas coisas. Ela começou a chorar, e dizer que esta sendo difícil e que quer ajuda pra se manter feliz nesses 30 dias que ela tem por aqui, depois iria viajar.
Então entreguei minha carta, aquela escrita com todo ódio. Ela leu, e mais lágrimas percorreram sua face. Ela estava realmente triste por ler aquilo. Eu queria terminar. Eu queria ir embora e não passar por tudo o que passei no ano passado.
Quando fui no banheiro, ela ligou pro pai dela, disse que eu era isso, que era aquilo, que era um anjo e que ele gostava de mim sem nem ter me conhecido. Ela me contando a conversa depois, disse que falou pra ela me escutar mais, e pra não fazer besteiras já que gosta tanto de mim, pra saber esperar e que em 1 minuto tudo pode mudar.
Pois mudou, resolvi rasgar a carta e mandar as favas a tal da roleta da minha vida. Gira gira e para tudo no mesmo lugar. Não vou mais ligar pra roleta. Foda-se, sempre odiei jogatinas. Ela que gire e pare onde bem entender, não vou mais dar bola.
Rasguei a carta e joguei no lixo, ela disse que não era pra fazer aquilo, mas já estava fazendo. Resolvi ficar com ela até o último momento, pra gente dar rizadas e curtir tudo o que temos pra curtir. Ela não vai mais pro exterior, mesmo por que depois de ontem, a amiga dela que iria pra Boston, resolveu não ir mais. É o que sempre digo pra ela, não se pode confiar nesse tipo de pessoa. Ela iria acabar como garota de programa no exterior e talves nunca mais voltar.
Ela esta indo morar com o pai dela em Guaraniaçu. Bom pra ela, não vai mais implorar por uma TV, não vai se preocupar com dinheiro, não vai ter pessoas falsas morando com ela e não vai estar tão longe assim.
Vamos ver depois que ela viajar como iremos ficar, nunca tive um relacionamento em que a distancia fosse maior do que 10km.

Tantas coisas

Aconteceram tantas coisas desde semana passada.
Ela voltou de viajem, disse aos prantos que havia ficado com o primo dela. O ex-namorado de forte paixão.
Na hora fiquei nervoso. Como uma guria pode voltar e dizer tantas coisas minhas e jogar tudo no chão e cuspir em cima.
Lembrei que fiz o mesmo com a minha primeira namorada. No dia em que pedi ela em namoro ela me perdoou da mesma forma. Resolvi então aceitar. Ela me prometeu que nunca mais iria vê-lo, falei pra ela que iria cobrar, e que se visse isso acontecer de novo, nunca mais era pra ela olhar na minha cara.
Ela me ligava todos os dias, pedia pra mim sair da faculdade e ir visitar ela. Reclamações, lágrimas e sorrisos resumem a semana.
Sexta saímos, batemos boca, conversamos, brigamos, sorrimos e nos beijamos.
Sábado fomos a uma pequena festa na casa duma amiga nossa. Em meio a tetos amassados por garrafas atiradas do segundo andar, bebedeiras, mais brigas e reencontros, transamos.
Eu estava um pouco alcoolizado, ela também, mas não importava, estavamos ali, sedentos por aquilo que iria nos aproximar ainda mais. Mas não aconteceu. Não nos aproximamos. A maldita borracha na qual eu confiava todo o meu gozo, estourou, não segurando todo o explendor da transa. Quando me dei por conta, já havia acontecido, e eu estava literalmente dentro dela.
Sai na procura da tal pílula do dia seguinte. Paguei caro por isso. Duas pílulas são vinte reais. Estou nervoso agora. O remédio diz ter 2% de falha, e do jeito que ando, entraremos nesses 2%. Só voltarei a ser feliz daqui a 3 semanas, quando E SE descer a próxima mestruação dela.
Mas ontem, enquanto a acompanhava para o caminho de casa ela me diz que está indo para foz com a amiga de casa. Ela vai tirar passaporte e viajar para Boston, para ficar com o namorado dela. Ela me falou que tem interesse de ir também.
Nessa hora lembrei de tudo que aconteceu ano passado. Começo de namoro, tudo as mil maravilhas, digo pra guria que a amo e ela resolve seguir o sonho. Ir para o Rio de Janeiro, fazer um estágio e depois ir para a África, evangelizar.
Se o merda do cristo existisse ele não tiraria duas pessoas felizes. Ele não iria deixar essas duas pessoas tão longes e muito menos iria fazê-las ter ódio uma da outra depois disso.
Terei que conversar direito com ela. Caso a resposta dela seja negativa a minha incistência pra ela permanecer por aqui, irei acabar tudo. Não estou nem um pouco afim de passar por tudo de novo.
Só merda na minha vida.

….ah, hoje está sendo um péssimo dia. Tinha que fazer backup de uns arquivos no trabalho e depois deletá-los. Pois bem, eu deletei, SEM FAZER BACKUP. Se precisarem, eu tou na rua.